Atenção! Não se pode misturar chiclete com banana nem futebol com política

Resultado de imagem para futebol e política charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

 


Carlos Newton

“Chiclete com banana” foi um sucesso e tanto, é uma música imortal para os brasileiros. Foi composta por Gordurinha e Almira Castilho, mulher de Jackson do Pandeiro, que fez a primeira gravação em 1959. Gordurinha era o nome artístico do humorista Waldeck Macedo, que era magro demais, tipo Zé Bonitinho (Jorge Louredo). Autor de grandes sucessos, como “Baiano burro nasce morto”, “Súplica cearense”, “Mambo da Cantareira” e muitos mais. A letra genial do samba mostra que não se deve misturar determinadas coisas, e podemos adaptá-la aos dias atuais, dizendo que não se deve misturar futebol com política, conforme o comentarista Tostão escreveu ontem na Folha de S.Paulo.

NOSSA PAIXÃO – Um dos maiores truísmos brasileiro é dizer que o futebol é a grande paixão nacional, porque permeia todas as camadas sociais, não importa a idade das pessoas e o gênero sexual. Somos todos iguais diante do gramado e temos orgulho de ainda sermos os maiores no mundo da bola, embora os alemães estejam doidos para empatar conosco.

Mesmo aqueles que têm saudades do futebol-arte, da bicicleta de Leônidas, da folha seca de Didi, do drible torto de Garrincha, do virtuosismo de Pelé, do drible elástico do Rivelino e das faltas cobradas por Zico, até os maiores saudosistas acabam se derretendo e se emocionando com nossa seleção. Basta lembrar o filme “Prá frente, Brasil”, do Roberto Farias.

Portanto, não vamos misturar as coisas. Como Tostão nos recomendou, precisamos torcer sem perder a indignação com o que está acontecendo no país. E em outubro, depois de vencermos mais uma Copa, que cada um de nós então exerça seu direito e compareça à seção eleitoral, para votar no menos ruim. Ou deixe para lá, passando a responsabilidade para os outros. De toda forma, alguém precisa se eleito, não é mesmo?

24 thoughts on “Atenção! Não se pode misturar chiclete com banana nem futebol com política

  1. Esse negócio de votar no menos ruim, já deu o pior: Temer na cabeça, e a sua corriola, com Aécio, o pior , a tiracolo . O banditismo financeiro que vá às urnas, diretamente, sem usar inocentes úteis, e continue aprontando das suas, pelo menos não seremos mais cúmplices dos dito$-cujo$. Sem o projeto novo e alternativo de política e de nação na parada, só irei às urnas se nela for colocada a tecla nova, como sugerida aqui mesmo na T.I. a saber: ” vão à merda”.

  2. “Mesmo aqueles que têm saudades do futebol-arte, da bicicleta de Leônidas, da folha seca de Didi, do drible torto de Garrincha, do virtuosismo de Pelé, do drible elástico do Rivelino e das faltas cobradas por Zico, até os maiores saudosistas acabam se derretendo e se emocionando com nossa seleção. Basta lembrar o filme “Prá frente, Brasil”, do Roberto Farias”.

    “BRASILIZANDO O TRECHO ACIMA, PARA A NOSSA REALIDADE ATUAL”:

    -Bicicleta de Leônidas: Um garoto com este mesmo nome, que teve a sua bike roubada; e até hoje nunca a encontrou!
    -A folha seca do Didi: a folha seca da maconha vendida por um traficante, o qual atende pela alcunha, Didi.
    -Drible do Garrincha: embora seja manjadíssimo, o eleitorado cai toda vez, quando aplicado pelas pernas dos políticos!
    -Drible elástico do Rivelino: no discurso dos palanques, é representado pela esperança que nos apregoam: resiliente, estica, estica e nunca se concretiza.
    -Faltas cobradas pelo Zico: são as faltas cometidas pelos governantes, cobradas pela população, e ninguém toma providências.
    -Drible do virtuosismo de Pelé: hoje, o crack cuja vida do usuário é a única “torcida, saiu dos gramados para os campi universitários, esquinas, palácios etc.

  3. Me lembrou uma musica. Quase da pra trocar “Bahia” por ‘Brasil’, por ‘futebol’, por ‘política’ :

    “Triste Bahia, oh, quão dessemelhante…
    Estás e estou do nosso antigo estado
    Pobre te vejo a ti, tu a mim empenhado
    Rico te vejo eu, já tu a mim abundante
    Triste Bahia, oh, quão dessemelhante

    A ti tocou-te a máquina mercante
    Quem tua larga barra tem entrado
    A mim vem me trocando e tem trocado
    Tanto negócio e tanto negociante

    Triste, oh, quão dessemelhante, triste
    Pastinha já foi à África
    Pastinha já foi à África
    Pra mostrar capoeira do Brasil

    Eu já vivo tão cansado
    De viver aqui na Terra
    Minha mãe, eu vou pra lua
    Eu mais a minha mulher
    Vamos fazer um ranchinho
    Tudo feito de sapê,
    Minha mãe eu vou pra lua
    E seja o que Deus quiser

    Triste, oh, quão dessemelhante
    ê, ô, galo canta
    O galo cantou, camará
    ê, cocorocô, ê cocorocô, camará
    ê, vamo-nos embora,
    ê vamo-nos embora camará
    ê, pelo mundo afora,
    ê pelo mundo afora camará
    ê, triste Bahia, camará
    Bandeira branca enfiada em pau forte…

    Afoxé leî, leî, leô…
    Bandeira branca,
    bandeira branca enfiada em pau forte…
    O vapor da cachoeira não navega mais no mar…
    Triste Recôncavo, oh, quão dessemelhante

    Maria pé no mato é hora…
    Arriba a saia e vamo-nos embora…
    Pé dentro, pé fora,
    quem tiver pé pequeno vai embora…

    Oh, virgem mãe puríssima…
    Bandeira branca enfiada em pau forte…
    Trago no peito a estrela do norte
    Bandeira branca enfiada em pau forte…
    Bandeira…”

    Caetano Veloso

  4. -Bem… sou um patriota.
    -Por isso eu torcerei pela Seleção Brasileira de Futebol da mesma forma que torci pela Seleção Brasileira de Críquete…

  5. 1) Vou torcer pelo Brasil – claro !

    2) Mas o vidente Carlinhos, do Paraná, já profetizou que o Brasil não vai ganhar a Copa do Mundo em 2018.

    3) Ele acertou os 7 x1 da Alemanha, o avião que caiu com o time da Chapecoense etc.

  6. Parece que o nosso editor ainda não entendeu o espírito da coisa.
    Não é misturar futebol com política.
    É misturar futebol com corrupção.
    O futebol está dominado,há décadas,pela mesma corrupção que domina o país.
    Se somos intolerantes com a corrupção do país não podemos ser tolerantes com a do futebol.
    Ainda mais quando vimos aquele técnico gaúcho asqueroso assinar um manifesto contra a corrupção no futebol e desdizer-se assim que foi chamado para dirigir a seleção.
    É muita hipocrisia!
    Decididamente não dá para torcer por essa escumalha de calção e chuteiras.
    São um bando de alienados.E a população que torce pela quadrilha de onze elementos é mais alienada ainda.

  7. O que não se pode mesmo é achar que uma religião política como a socialista ainda vai melhorar a vida do povo.

    Livramos dela, que se instalou aqui com o estado Novo de Getúlio é a solução.

    Mas quem poderá realizar esta tarefa impossível aqui neste shit hole, já que o povo gosta de se acomodar no colinho do estado e pior, até goza?

    Os ingleses, que inventaram o futebol, têm os melhores países do mundo.
    Mas mesmo assim, eles têm recaídas advindas do socialismo, quando então aparece uma Margareth Thatcher para colocar as coisas no lugar.

    • Dizer que os ingleses inventaram o futebol e pesado…
      Sugerir que devemos o futebol á Inglaterra é como sugerir que Mozart deve royalties aos tocadores de tambor da era pré-histórica.

      Wilma, o que a Inglaterra inventou um jogo de corrida em torno de chutar uma bola, jogado pela primeira vez em Sheffield em meados do século 19 (e por toda a Inglaterra por muitas décadas) tem pouca semelhança com o futebol como o conhecemos hoje.

      E a Inglaterra passou a maior parte do século passado tentando, em vão, recuperar o atraso. A maioria dos melhores jogadores e treinadores da Premier League não é inglesa.

    • “Um jogo chinês chamado Cuju , Tsu ‘Chu ou Zuqiu foi reconhecido pela FIFA como a primeira versão do jogo de futebol com regras regulares. Existiu durante a dinastia Han, os segundos e terceiros séculos antes de Cristo.
      A versão japonesa de cuju é kemari, e desenvolveu-se durante o período de Asuka. Sabe-se que isso foi jogado dentro da corte imperial japonesa em Kyoto a partir de 600 dC.

      Os gregos e romanos antigos são conhecidos por terem jogado muitos jogos de bola, alguns dos quais envolviam o uso dos pés. Acredita-se que o harpastum romano tenha sido adaptado de um jogo grego.

      Há relatos posteriores de um jogo Inuit jogado no gelo, chamado Aqsaqtuk. Cada partida começou com duas equipes se enfrentando em linhas paralelas, antes de tentar chutar a bola através da linha do outro time e, em seguida, em um gol.

      O povo Maori na Nova Zelândia jogou um jogo chamado Ki-o-rahi consistindo de equipes de sete jogadores jogando em um campo circular dividido em zonas, e marcar pontos tocando os ‘pou’ (marcadores de limite) e atingindo um ‘tupu’ central ou alvo.”
      fonte: Wikipedia

    • Se o auge da civilização do futebol de hoje é o Barcelona FC – cuja intrincada passagem, controle certeiro e movimento de bola o tornaram o time mais formidável do mundo, o jogo inglês do século 19 e início do século 20 foi pré-histórico em comparação.

      Naquela época, um jogador corria com a bola em direção ao gol adversário e seus companheiros de equipe corriam ao lado e atrás dele, esperando pegar a bola perdida se o homem fosse atacado. Depois,corriam com a bola com seus companheiros de equipe em torno deles, ou então a oposição faria o mesmo na outra direção, mais ou menos como as crianças de 4 anos fazem quando estão aprendendo o jogo pela primeira vez.

      A ideia de mover a bola para o gol do adversário passando-a de jogador para jogador foi inventada na Escócia(que, se você conhece geografia, é um país diferente) no início do século XX.
      Curiosamente, apesar de não estar relacionado, a maioria treinadores da Premier League inglesa de hoje são escoceses, mais do que de qualquer outro país.

    • Correção: não é “livramos” e sim “livrarmos”.

      (LivraRmos dela, que se instalou aqui com o estado Novo de Getúlio é a solução.)

  8. É claro que o futebol é o retrato da política. Os dirigentes de futebol, na sua grande maioria, são políticos, serenos asquerosos e criminosos. Não é a toa que a maioria dos times estão devendo até a alma. País de delinquentes em todas as esferas.

  9. A seleção representa a pátria?
    Então por que quem a comanda é uma instituição privada?
    Então por que só podemos ver os jogos por uma única emissora aberta?
    Alguém eleito ou concursado decide algo, desde uniforme, escalação, técnico, etc?
    Assisto como vejo um filme. Se estiver bom vou até o final. Caso contrário mudo de canal. E se o mocinho (Brasil) for canastrão, torço para o bandido vencer no final.

  10. Mais uma para Charles Turd:

    Treinadores escoceses levaram seu estilo de futebol para a Europa Central na década de 1920, criando a base para a lendária seleção austríaca de antes da guerra, cujo atacante Matthias Sindelar pode ter sido o primeiro “falso 9”, usando o número do atacante.
    Esses jogadores fantasma na linha de frente formavam a vida impossível para os defensores habituados a formações mais rígidas: hoje, o papel é exemplificado por Lionel Messi do Barcelona.
    Esse mesmo jogo entre guerras de influência escocesa na Europa Central lançou as bases para os “magníficos magiares”, a seleção húngara liderada pelo gênio Ferenc Puskas, que derrotou a Inglaterra em Wembley por 6-3 em 1953 , com o novo “falso 9” Sandor Hidegkuti, que mostrou aos ingleses o quão longe eles ficaram para trás dos melhores times do mundo.

    Claro, a Inglaterra venceu a Copa do Mundo em 1966, mas a vitória no torneio foi uma exceção única na história do futebol internacional, que em 1996 tinha fãs ingleses cantando “30 anos de dor”, que agora seriam 46 anos de mágoa.

    A era do domínio brasileiro no futebol, que começou com Garrincha, Vava e o precoce adolescente Pelé destruindo todos os cantos da Copa do Mundo de 1958 tem uma dívida significativa com Bela Guttman, um treinador itinerante húngaro-judeu .
    Guttman levou o jogo austro-húngaro e o transplantou, treinando algumas das melhores equipes do mundo, como o Brasil; ele também teve treinamentos influentes na Itália e em Portugal.

  11. E outra, para Johnny Poo:

    A era do domínio brasileiro que começou com Garrincha, Vava e o precoce adolescente Pelé destruindo todos os cantos da Copa do Mundo de 1958 tem uma dívida significativa com Bela Guttman, um treinador itinerante húngaro-judeu . Guttman levou o jogo austro-húngaro e o transplantou, treinando algumas das melhores equipes do mundo, como o Brasil; ele também teve treinamentos influentes na Itália e em Portugal.

    Mesmo o atual jogo do Barça, tão dominante na Europa e na Copa do Mundo, não é totalmente indígena. É um produto, de fato, da influência dos holandeses “Total Football” do início dos anos 1970 – a ênfase na rápida passagem de um toque, movimento e flexibilidade posicional que fez da Holanda a excelente equipe do Mundial de 1974 e 1978. Copas, mesmo que não tenham vencido. (Curiosamente, os “magníficos magiares” também foram de longe a equipe de destaque da Copa do Mundo de 1954, mas perderam a final para um time alemão mais apto e melhor treinado.)

  12. Last one, Chelsea Moron:

    A fertilização cruzada é um elemento básico de um jogo que se tornou progressivamente globalizado nas últimas décadas. Até mesmo o estilo de jogo e as habilidades técnicas da Inglaterra foram substancialmente melhorados pela presença de tantos jogadores estrangeiros e treinadores em sua liga principal.
    A Inglaterra ainda está lutando para imitar estilos de jogo bem sucedidos em um jogo que afirma ter inventado. Ela teve dois estrangeiros treinando sua equipe nacional na última década, sem sucesso.

    Mas o verdadeiro desafio em ensinar a Inglaterra a jogar futebol competitivo de primeira linha não é simplesmente treinar a seleção nacional; está na ênfase de importar virtudes “estrangeiras” nas bases, como o Barcelona fez nos anos 70.
    Enfim, o que Inglaterra poderia “emprestar” do futebol moderno, se quiser se tornar internacionalmente competitiva….”

    UH!

  13. Repetindo, corrigido:

    O que não se pode mesmo é achar que uma religião política como a socialista ainda vai melhorar a vida do povo.

    LivraRmos dela, ela que se instalou aqui com o estado Novo de Getúlio, é a solução.

    Mas quem poderá realizar esta tarefa impossível aqui neste shit hole, já que o povo gosta de se acomodar no colinho do estado e pior, até goza?

    Os ingleses, que inventaram o futebol, têm os melhores países do mundo.
    Mas mesmo assim, eles têm recaídas advindas do socialismo, quando então aparece uma Margareth Thatcher para colocar as coisas no lugar.

    • O melhor seria dizer…..”então aparecem uma Margareth Thatcher e um Ronald Reagan para desregulamentar todas as amarras do capitalismo e ocasionar a pior depressão econômica da história da humanidade,que´durou até pouco tempo atrás e só foi resolvida por Barack Obama,que injetou mais de 10 trilhões de dólares,de dinheiro público, nas economias americana e inglesa para evitar a auto destruição do capitalismo”
      O capitalismo sem uma severa regulamentação é autofágico e destrói a si mesmo.Foi assim nas grandes crises de 1929 e 2007,quando foi salvo por dinheiro público injetado na economia por, respectivamente,Roosevelt e Obama.
      Dizer que o capitalismo,sem regulamentação, resolve todos os problemas da humanidade só pode ser ignorãncia,burrice ou má fé!!!!!!

  14. CARO CN, PERMITA-ME FAZER UM DISCRETO REPARO. O PERSONAGEM ZÉ BONITINHO ERA INTERPRETADO PELO SAUDOSO HUMORISTA JORGE LOREDO

    • Gratíssimo pela correção, Mário Assis, trabalhei com o irmão dele, João Loredo, diretor de programas da TV Globo, verdadeira fera, que se apaixonou por uma mineira e foi morar em Juiz de Fora.

      Abs.

      CN

  15. Não deveria, mas mal começou a copa do mundo o STF acaba com a condução coercitiva. Vem muito mais por aí. Esse país é um lixão mesmo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *