Na busca por eleitor indeciso, Ciro Gomes adota uma postura mais moderada

Sorrindo, Ciro Gomes cumprimenta adversário

Sorridente, Ciro cumprimenta Alckmin no debate da Rede TV

Gustavo Uribe
Folha

Com dificuldades de crescer nas pesquisas eleitorais, o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, adotou novo perfil para tentar avançar sobre os eleitores indecisos. Diante da crítica de adversários de que tem fama de explosivo, o que foi apontado como um fator de insegurança em pesquisa, ele decidiu abandonar o que é chamado pela equipe de campanha de uma postura belicosa e adotar um perfil mais moderado. “O que podemos dizer é que ele entrou agora numa fase de Ciro Soft”, resumiu o presidente do PDT, Carlos Lupi.

Inicialmente, a proposta era de que ele não abrisse mão do jeito duro. Em entrevista à Folha, em junho, o então coordenador político da campanha eleitoral, seu irmão Cid Gomes, disse que o perfil “franco, sincero e que fala o que pensa é cada vez mais desejado pelo povo”.

RESISTÊNCIA – Segundo a Folha apurou, contudo, uma pesquisa qualitativa revelou uma certa resistência dos eleitores com o temperamento do candidato e uma preferência por um perfil mais tranquilo e bem-humorado.

Desde então, Ciro tem feito menos ataques e se descrito como uma “seda” e um “doce de coco”. Ele foi aconselhado por integrantes do partido a sorrir mais e a reagir com mais calma a críticas. “Aos 60 anos de idade, eu não vou mudar, [mas] estou mais maduro, experiente e sereno”, disse em entrevista na sexta-feira (17).

Em julho, o candidato xingou publicamente representante do Ministério Público e, no mês anterior, chamou o vereador Fernando Holiday (DEM-SP), ligado ao MBL, de “capitãozinho do mato”. Na época, foi aconselhado pelo irmão Cid Gomes a não fazer xingamentos em público, o que também passou a evitar.

VIDA PESSOAL – O novo perfil será explorado, por exemplo, na estreia do candidato na propaganda eleitoral gratuita, no dia 31. A ideia será mostrá-lo como um político experiente e um homem calmo. Para isso, serão veiculadas imagens da carreira dele, nos cargos de governador e ministro, e filmagens de momento de intimidade com os filhos.

A postura moderada começou a ser testada na semana retrasada, véspera do início oficial da campanha eleitoral. Nos dois primeiros debates na TV, Ciro evitou ataques e manteve tranquilidade, fazendo, inclusive, piada em pergunta sobre a Ursal (União das Repúblicas Socialistas da América Latina) no primeiro. No segundo, foi cordial com seus principais adversários.

“É preciso ter calma. A campanha eleitoral é uma corrida de fôlego. Eu achei que nós devíamos hoje tatear o caminho”, disse na saída do primeiro debate.

AMIGO DE TODOS – No discurso, passou a se referir aos seus oponentes de forma amistosa. Segundo ele, Geraldo Alckmin (PSDB) é um bom amigo “há longa data”, Jair Bolsonaro (PSL) é seu “estimado colega de Câmara dos Deputados” e Marina Silva (Rede) uma “estimada amiga”.

Segundo um dirigente do partido, o novo temperamento teve boa recepção em sondagem com eleitores, entre eles os que ainda não definiram seu voto. Segundo a última pesquisa Datafolha, em cenários sem o ex-presidente Lula, o percentual de indecisos chega a 28%.

A avaliação é que, diante da disputa com a candidatura petista pelos eleitores de esquerda, Ciro precisa avançar sobre parcela dos que não têm candidato e dos identificados com o campo de centro.

REDES SOCIAIS – A nova estratégia também tem sido utilizada nas redes sociais. Na tentativa de suavizar sua imagem, o candidato tem publicado uma espécie de álbum de momentos descontraídos. Nas fotografias, ele posa nadando com o filho caçula, se vestindo com a ajuda da neta, abraçando uma conterrânea de Sobral (CE) e dançando com a mãe.

Ele colocou ainda gravação, ao lado da candidata a vice Kátia Abreu (PDT), cantando música da cantora Dalva de Oliveira. E divulgou vídeo com memes de animais, no qual ele aparece de óculos escuros e fazendo sinal de “hang loose”, saudação que costuma ser utilizada por surfistas.

12 thoughts on “Na busca por eleitor indeciso, Ciro Gomes adota uma postura mais moderada

    • Logo apos a facada nas costas, ele tivesse tido postura de homem, e chutado o pt, com toda certeza estaria a frente de Bolsonaro, mas preferiu ficar fazendo papel de capacho, ta se afundando.
      E de quebra agora tentando captar os votos de direita que estão voando, pois voto de esquerda não voa, vai ter de bater muito no estafeta do lula. e isso vai ser interessante de assistir, Bolsonaro olhando na cola, o estafeta pedindo pra consultar o presidiário.

  1. Gastei uns 20 minutos analisando a lista genérica que a pesquisa CNT/MDA anexou ao site do TSE informando apenas as regiões aonde supostamente foram feitas as entrevistas com os eleitores. Não menciona quantos questionários cada local foi contemplado, o que impede que se possa calcular se a proporcionalidade eleitores/entrevistas foi mantida por estado.
    Pois bem, no DF escolheram 3 regiões: Ceilândia, Samanbaia (sic) e Candangolândia.
    Na cidade do RJ: Bom Sucesso (sic), Campo Grande, Manguinho (sic), Olaria, São Victor(desconheço?), Centro. Pela qualidade da digitação que entregaram ao TSE, se nota o apuro em informar corretamente.
    Conclusão do meu devaneio: Por estes dois exemplos já dá para perceber como o resultado dos 2002 questionários é uma radiografia perfeitíssima da opinião do eleitorado de mais de 140.000.000 de pessoas. Confiabilíssimo.

    • Ceilândia e Samambaia são duas das cidades mais pobres e mais perigosas do DF. Todo o santo dia tem homicídio.

      Candangolândia hoje está um pouco melhor, pois o negócio mais forte lá é o tráfico de drogas, mas já foi uma grande favela. Foi lá que um antigo governador do DF pintou as paredes dos barracos de alvenaria que eram voltados para a rodovia para que a visão da miséria não “incomodasse” a vista dos turistas e das autoridades estrangeiras, quando estas vinham do aeroporto para a área nobre da Capital:

      “Dados do Ministério do Desenvolvimento Social mostram que mais de 67 mil famílias da capital federal vivem em situação de extrema pobreza. Moradores de Ceilândia, Samambaia, Planaltina, Santa Maria e Taguatinga concentram a busca por auxílio do governo.” (2017)

      • Daí se percebe o tipo de eleitor que eles procuram, para justamente escolher o candidato que eles querem que escolha. No RIO também todos os bairros escolhidos estão e estavam nos últimos dias com o exército fazendo operações de alto risco. Curiosamente nenhuma pesquisa na zona sul, grande tijuca, meiér, jacarepaguá/barra, parece que escolheram baseados na página OTT/RJ (onde tem tiroteio).

    • José Augusto Aranha,
      Achei interessante sua observação. Tentei consultar esses dados no TSE mas achei meio complicado porque pedem um número de registro (?). Poderia explicar como fazer?
      Obrigado.
      Abraço.

      • Com prazer. Entre no site do TSE e acesse “pesquisas eleitorais”. O link é este: http://www.tse.jus.br/eleicoes/pesquisa-eleitorais/pesquisas-eleitorais
        Aí acesse “consulta as pesquisas registradas. Preencha só do lado esquerdo:
        – Nº de identificação: o nº da pesquisa que você encontra em noticias na internet.
        -eleição: Eleições gerais 2018.
        – UF: Brasil.
        Não precisa preencher o nome do instituto que é meio confuso.
        Ao acessar a pesquisa, no rodapé tem o pdf dos dados e dos supostos locais.
        Antigamente até 2006 se disponibilizava a quantidade de questionários em cada local (cidade). Desta forma era possível conferir a proporcionalidade que hoje é impossível pois você não sabe quantos questionários foram feitos em ceilândia e quantos no centro do Rio. Abs

      • O número de questionários é importante, pois correspondea proporção da amostra da população de determinado perfil, em relação ao conjunto do eleitorado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *