Sem defender ideologia alguma, os partidos revelam ser balcões de negócio

Resultado de imagem para partidos charges

Charge do Jorge Braga (Charge Online)

Pedro do Coutto

Reportagem de Cristiane Jungblut, edição de ontem de O Globo, destaca a movimentação desenvolvida por diversos partidos políticos em torno de alianças vinculadas às eleições de outubro. Incrível, as direções partidárias agem como se estivessem disputando leilões comerciais. O mentor do PR, por exemplo, Valdemar da Costa Neto, depois de receber apelos de Jais Bolsonaro e de Geraldo Alckmin, disse que a legenda prefere alinhar-se com o chamado Blocão integrado pelo DEM, PP, SD e PRB, porque assim o candidato escolhido possuirá maior tempo de acesso ao programa gratuito que a lei condiciona às representações das coligações na televisão e no rádio.

Esse bloco de partido encontrava-se dividido, com uma corrente defendendo aliança com Ciro Gomes, outra corrente com o apoio a Geraldo Ackmin.

APOIO DO PTB – Por falar em Geraldo Alckmin, recebeu ele o apoio do PTB de Roberto Jeferson, que tantos problemas criou no Ministério do Trabalho. Neste caso surge a indagação se as letras do PTB, em vez de somar, diminuem os votos do ex-governador de São Paulo. O PTB, aliás, de trabalhista não tem nada. Dedica-se integralmente ao fisiologismo e seu êxito depende do acesso às verbas do governo.

No meio da confusão, o blocão decidiu apoiar Alckmin, embora o deputado Rodrigo Maia considerasse melhor não se envolver na campanha do PSDB. Maia já é ex-candidato a Presidência da República, vai optar pela disputa à Câmara Federal, não tentando assim uma reeleição ao Senado, que ficar com seu pai, Cesar Maia.

Enquanto isso verifica-se no PSB um movimento voltado para o apoio à Ciro Gomes.

MUITA CONFUSÃO – A situação do PSB está confusa, depois que Joaquim Barbosa desistiu de candidatar-se. Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, o PSB oscila entre a defesa da candidatura Marcio França ao governo estadual e o apoio eventual a um candidato à presidência, principalmente Alckmin.

Porém, o mais importante de toda essa confusão, na qual acentua-se um vai e vem de promessas de apoio, é que legenda alguma condiciona sua participação eleitoral dentro de um critério de princípio e programa. Princípios e programas para quê?

QUEM DÁ MAIS – Nada mais interessa, a prioridade é para o quem dá mais aqui ou ali. Tal processo absolutamente negativo predomina cada vez mais no cenário político brasileiro. Na verdade a honestidade, que era uma qualidade, passou a ser defeito. Pois os desonestos flutuam ao sabor das ondas, dirigidas para o lucro pessoal e que consagram o império atual do fisiologismo na política brasileira.

Já vai longe o tempo em que os candidatos à presidência da República condicionavam a realização de alianças na base de programas comuns de governo. Isso ficou no passado.

No presente não existe nenhuma preocupação com o povo do país, tampouco com a vida dos cidadãos e cidadãs. Todos querem saber de si. O poder transformou-se numa grande empresa nacional. Isso é um desastre.

7 thoughts on “Sem defender ideologia alguma, os partidos revelam ser balcões de negócio

  1. A cada dois anos a CANALHADA se reúne e faz a divisão do butim. Ministérios, estatais, agências reguladoras, autarquias, embaixadas, qualquer gabinete nos três poderes passa a ter um novo dono. São bandos de vagabundos. São corjas de ladrões.

  2. Otimo posto, até repito: “No presente não existe nenhuma preocupação com o povo do país, tampouco com a vida dos cidadãos e cidadãs. Todos querem saber de si. O poder transformou-se numa grande empresa nacional. Isso é um desastre.”

    – São urubus em revoada prontos para fazerem a festa na carniça Brasil.

  3. Bom Dia Pedro do Coutto,

    Você não avalia a satisfação com que li o seu comentário, principalmente quando você fala que há muito tempo não existem mais princípios e programas?

    É preciso entender que a política foi completamente absorvida pelos interesses corporativos e financeiros e os eleitos são representantes desses grupos.

    Saudações.

  4. A ideologia de um candidato ou partido se mostra na área econômica: se é socialista se promete mundos e fundos ao povo e sabemos que o atraso do Brasil resulta dessa ideologia populista. A maioria dos partidos são assim.
    Já, no caso do Bolsonaro (Paulo Guedes) e do Amoedo (Partido Novo), o que prometem é a tentativa de implantar o capitalismo no país, coisa que aqui nunca existiu e que é o que faz o progresso de qualquer povo. Na dúvida, consultem a história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *